Saiba como fazer a estimativa de seus gastos futuros

Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas revelou que mais de 6 milhões de idosos, entre 64 e 85 anos, estão inadimplentes atualmente no Brasil. Esse número corresponde há cerca de um terço da população brasileira nessa faixa etária.

A pesquisa é clara ao desmentir uma ideia, bastante comum, de que ao se aposentar os gastos tendem a diminuir. Na prática, pode acontecer exatamente o oposto.

É bem verdade que alguns compromissos financeiros não existirão mais, como o de custear os estudos dos filhos. Mas é preciso pensar que, enquanto algumas despesas vão sumir completamente da sua planilha de orçamento doméstico, outras novas vão surgir. Sem contar que algumas irão disparar, obrigando-o a fazer um aporte alto e, muitas vezes, imprevisto. “É o caso do plano de saúde, por exemplo. Na aposentadoria, os cuidados com a saúde podem comprometer até 30% da renda familiar”, explica o educador financeiro Álvaro Modernell, diretor da Mais Ativos Educação Financeira.

Faça as contas

Para iniciar esse planejamento, leve em conta dados próximos à realidade. Primeiramente, olhe para o seu rendimento com bastante critério, pode ser que sua aposentadoria oficial não seja equivalente ao salário atual. Lembre-se também que não haverá ganhos extras ou recebimento de benefícios.

A vida de um profissional aos 25 anos de idade, por exemplo, costuma ser bem diferente da vida de um profissional que está chegando à aposentadoria, no que diz respeito aos hábitos de consumo e necessidades. Daí a importância de acompanhar atentamente seus gastos alguns anos antes de parar.

Conversar com pessoas aposentadas há certo tempo é uma ótima maneira de ter noção dos seus gastos futuros. Esse conhecimento também possibilita calcular se o valor da sua contribuição mensal é condizente com o estilo de vida que pretende ter.

A maioria dos aposentados precisará gastar entre 60% e 90% de sua renda para manter o padrão de vida de quando estava na ativa, o que não será possível apenas com o benefício pago pelo INSS. Por isso, quanto mais puder investir em um plano de previdência, melhor. Tendo clareza dos seus gastos é possível se organizar para aumentar suas contribuições.

Estar em dia com seu planejamento financeiro permite, por exemplo, quitar o imóvel que reside antes da aposentadoria. Dessa maneira, o valor do financiamento pode ser usado para gastos que passarão por ajustes, como o plano de saúde.

Não esqueça de levar em conta os efeitos da inflação. Após dez anos de aposentadoria, os gastos não serão os mesmos do seu primeiro mês como aposentado. E os seus benefícios, acompanharão esse aumento de gastos? Por isso, é importante fazer ajustes em seu orçamento durante a aposentadoria, mantendo-se sempre a par dos aumentos causados pela inflação.