Como montar uma reserva de emergência

Se a sua ainda não existe, comece agora

Muitas vezes, nas dificuldades do dia a dia, o dinheiro é a quantia certinha para pagar os boletos do mês. Nisso, na hora que aparece alguém doente, um carro quebra, é preciso viajar para outra cidade, você é demitido, daí o ideal é contar com a famosa reserva de emergência. Você deve ter se perguntado: se só dá para pagar as contas, como criar essa reserva? Com um pouco de organização é possível ultrapassar imprevistos de maneira tranquila.

A primeira questão a se resolver é de quanto deve ser essa reserva. Aconselha-se que você tenha guardado uma quantia que consiga manter seu padrão de vida por pelo menos 6 meses. Já o ideal seria conseguir viver bem por um ano, em caso de um grande imprevisto.

E uma matemática simples, vamos supor que seus gastos mensais são de 3 mil reais, isso somando todas as contas, desde o aluguel e comida até despesas mais supérfluas, como lazer. No plano A de 6 meses, você deveria juntar 18 mil reais. No plano B, de 1 ano, 36 mil reais. Você pode fazer a conta também baseada no salário que ganha atualmente.

É claro que não dá para juntar essas quantias da noite para o dia, é um trabalho contínuo que requer principalmente foco. Quando você fizer o cálculo de quanto gasta mensalmente, aproveite e calcule o que você pode economizar. Vale levar marmita para o trabalho mais vezes por semana, utilizar o transporte público, cortar gastos que você não utiliza como serviços de streaming. Depois dessa avaliação, qualquer quantia que você conseguir poupar já é um passo para criar esse fundo.

Uma tática que funciona bastante para guardar essas quantias é o sistema de metas. Defina mensalmente uma quantidade do orçamento para isso e quando alcançar a meta, aumente. 

Depois de definir a quantia, é hora de decidir como você pode investir, afinal, dinheiro parado não rende. Os melhores investimentos para este caso são aqueles que têm baixo risco e mais facilidade na hora de resgatar, já que o imprevisto não escolhe hora.

Por exemplo, investir em imóveis não é uma boa opção neste caso, porque imagina que você fica desempregado, até que consiga vender o imóvel e ter acesso ao dinheiro, pode ficar em uma situação difícil. Investimentos com alta volatilidade também não são recomendados, como moedas estrangeiras, o valor varia diariamente, pode ser que no dia que você precise, esteja em baixa.

Sobram os investimentos mais clássicos como CDB, LCA e LCI. Além disso, o Tesouro Direto é uma opção que se popularizou bastante nos últimos anos, é rentável, considerando o prazo de retirada, você pode resgatá-lo após 30 dias sem tributação de IOF.

Dinheiro guardado, investimento feito, dinheiro rendendo, é hora de decidir o que é emergência. É comum ter vontade de resgatar o dinheiro quando percebe a quantidade que rendeu, principalmente para realizar desejos. Nessas horas, cabe você ter foco que aquele dinheiro tem um destino certo: uma emergência. Faça outros investimentos para seus sonhos específicos e utilize a reserva apenas quando necessário, você perceberá como os momentos de dificuldade passarão com mais tranquilidade.

Tags: finanças reservadeemergencia

Veja mais