Entenda como a alta dos juros afeta os fundos de pensão

Cenário atual amplia investimentos em títulos públicos e renda fixa

Oscilações nas taxas de juros sempre afetam de alguma forma a rentabilidade dos investimentos que estão em curso e, no caso das aplicações geridas pelos Fundos de Pensão, isso não é diferente. Em geral, a elevação nas taxas de juros – situação vivida no mercado brasileiro atualmente - prejudica o retorno das empresas e isso acaba comprometendo a performance das carteiras, especialmente as que têm perfil mais agressivo, de maior rentabilidade e maior risco. “Até os fundos com perfil conservador tendem a registrar perda de performance, em função de posições em títulos prefixados e também de títulos atrelados a índices de preços. Isso ocorre em função da exigência de que os títulos sejam contabilizados a valor de mercado. Apenas os títulos indexados à SELIC não sofrem impactos com as altas dos juros”, explica Flávio Correia, professor de Economia da Faculdade IBS/Fundação Getulio Vargas.

Por conta desse cenário, os Fundos de Pensão estão aumentando seus investimentos em títulos públicos e de renda fixa, como é o caso do Tesouro Nacional. As decisões sobre qual será a natureza dos investimentos de um fundo de pensão competem a seus gestores. “As ações de quem administra os fundos devem ser acompanhadas por um excelente Conselho fiscal, composto por representantes de todas as partes interessadas. Isso minimiza os riscos de redução de rentabilidade dos fundos, trazendo tranquilidade para quem está em busca de um futuro melhor”, afirma José Eustáquio Simões, professor de economia e economia internacional na Faculdade Promove de Minas Gerais.

O participante de um Fundo de Pensão deve lembrar que está constituindo uma reserva de longo prazo e, nesse período, certamente irá testemunhar momentos em que os fundos registrarão excelentes performances e outros em que os rendimentos serão negativos. Para Simões, o principal a ser considerado é que estas mudanças do mercado impactam apenas momentaneamente os ganhos mas, no longo prazo, que é o que interessa aos Fundos, estes fatores não interferem significativamente nos resultados.

Nos casos em que a empresa, chamada de patrocinadora do Fundo de Pensão, faz uma contribuição adicional à reserva do participante, no mesmo valor depositado por ele, o impacto das oscilações de mercado torna-se ainda mais reduzido, pois a capacidade de poupança automaticamente dobra, a partir do primeiro aporte feito pelo funcionário. “Trabalhadores que têm essa oportunidade estão fazendo o melhor investimento do mercado”, afirma Correia.

Segurança extra

Vale ressaltar, ainda, que os fundos de pensão são regulamentados e auditados, passam por uma fiscalização da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC). “Eles são obrigados a prestar contas anualmente sobre a sua gestão administrativa e apresentar para os associados os resultados. Também precisam fazer atualização de todos os cálculos atuariais, para garantir a segurança dos participantes”, explica Cintia Senna, contadora e educadora financeira, com pós-graduação pela DSOP/Unis.

*Os conteúdos deste portal têm caráter informativo e são produzidos pela empresa Engrenagem Virtual; não refletem necessariamente uma recomendação da Entidade.

 

Tags: Abrapp Cintia Senna Flávio Correia fundos de pensão investimentos José Eustáquio Simões juros previdência

Veja mais