Para quem é recomendado o Tesouro Selic?

Descubra se esse investimento tem a ver com o seu perfil

Muitas pessoas desejam sair da poupança e dar um passo a mais no mundo dos investimentos, em busca de melhorar os ganhos ao mesmo tempo em que se diminuam os riscos. Para estas, geralmente, é indicado o Tesouro Direto que não por acaso é justamente a primeira escolha do investidor que acaba de sair da poupança. Isso se deve ao fato do nível de confiança normalmente atribuído ao governo. Em poucas palavras, fazer investimentos no Tesouro significa emprestar dinheiro ao governo brasileiro através do Tesouro Nacional e receber de volta com juros com regras pré-estabelecidas.

Há vários títulos dentro do Tesouro Direto, mas é o Tesouro Selic o preferido para aqueles que buscam aplicações de curto prazo. Esta preferência se dá pela menor volatilidade que o título sofre em relação aos demais, possibilitando que o investidor venda os papéis a qualquer hora. Estes por sua vez, em períodos de Selic mais baixa, perdem sua margem de vantagem frente à poupança.

A medida usada em especial pelo Tesouro Selic como medida de rentabilidade é a taxa básica de juros (Selic), que tem o seu valor definido pelo Comitê de Políticas Monetárias (Copom), através de reuniões periódicas a cada 45 dias. A aplicação é excelente para quem busca, além dos baixos riscos, alta liquidez.

Em janeiro de 2019, por exemplo, o Tesouro Selic teve participação de 47,9% nas vendas do período. Segundo a XP Investimentos, o papel rendeu 32% acima da poupança desde 2016 e deve prosseguir com o rendimento superior pelos próximos anos.

Se você deseja comprar papéis do Tesouro Selic, é importante estar atento às variações da taxa Selic – de onde vem o nome do título. Isso porque os títulos do Tesouro Selic possuem rentabilidade levemente superior à Selic. Mas, caso a Selic esteja, por exemplo, em 10% ao ano no momento da compra, não significa que o título renderá sobre os 10% até o momento da retirada. Lembre-se que a rentabilidade vai de acordo com as definições do Copom.

Mas é importante ressaltar que o baixo risco do título tem relação da segurança de investimentos em aplicações garantidas pelo governo, sem a necessidade do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Ou seja, se por qualquer circunstância o Tesouro Nacional dê calote nos investidores, o sistema financeiro por completo será prejudicado, não apenas os investidores destes títulos.

No fim das contas, o Tesouro Selic é sim uma opção interessante para investimentos em renda fixa. E como está diretamente ligado às variações da taxa Selic, é importante estar atento aos momentos de queda da taxa, principalmente se você é marinheiro de primeira viagem no universo dos investidores. O Tesouro Selic pode ser negociado a qualquer momento, sem riscos de prejuízo, já que sua volatilidade é diferente dos demais títulos do Tesouro Direto.

Há vários títulos dentro do Tesouro Direto, mas é o Tesouro Selic o preferido para aqueles que buscam aplicações de curto prazo. Esta preferência se dá pela menor volatilidade que o título sofre em relação aos demais, possibilitando que o investidor venda os papéis a qualquer hora. Estes por sua vez, em períodos de Selic mais baixa, perdem sua margem de vantagem frente à poupança.

A medida usada em especial pelo Tesouro Selic como medida de rentabilidade é a taxa básica de juros (Selic), que tem o seu valor definido pelo Comitê de Políticas Monetárias (Copom), através de reuniões periódicas a cada 45 dias. A aplicação é excelente para quem busca, além dos baixos riscos, alta liquidez.

Em janeiro de 2019, por exemplo, o Tesouro Selic teve participação de 47,9% nas vendas do período. Segundo a XP Investimentos, o papel rendeu 32% acima da poupança desde 2016 e deve prosseguir com o rendimento superior pelos próximos anos.

Se você deseja comprar papéis do Tesouro Selic, é importante estar atento às variações da taxa Selic – de onde vem o nome do título. Isso porque os títulos do Tesouro Selic possuem rentabilidade levemente superior à Selic. Mas, caso a Selic esteja, por exemplo, em 10% ao ano no momento da compra, não significa que o título renderá sobre os 10% até o momento da retirada. Lembre-se que a rentabilidade vai de acordo com as definições do Copom.

Mas é importante ressaltar que o baixo risco do título tem relação da segurança de investimentos em aplicações garantidas pelo governo, sem a necessidade do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Ou seja, se por qualquer circunstância o Tesouro Nacional dê calote nos investidores, o sistema financeiro por completo será prejudicado, não apenas os investidores destes títulos.

No fim das contas, o Tesouro Selic é sim uma opção interessante para investimentos em renda fixa. E como está diretamente ligado às variações da taxa Selic, é importante estar atento aos momentos de queda da taxa, principalmente se você é marinheiro de primeira viagem no universo dos investidores. O Tesouro Selic pode ser negociado a qualquer momento, sem riscos de prejuízo, já que sua volatilidade é diferente dos demais títulos do Tesouro Direto.

Tags: finanças investimentos

Veja mais