Quebrando o tabu: a importância de falar de dinheiro

É cada vez mais importante discutir o assunto, buscar informações e mudar comportamentos que não fazem bem pro seu bolso

A crise tem nos feito repensar nossa relação com o dinheiro. Conversamos mais sobre isso com amigos, vizinhos e parentes trocando experiências (positivas e negativas). Conversar sobre dinheiro ainda é um tabu. Na frente de crianças, alguns até perdem o fôlego para tratar desse assunto.  Pode não ser fácil, mas esse tema deve ser abordado dentro das famílias desde cedo. Afinal o dinheiro e suas limitações devem ser compreendidos desde cedo pelas crianças. Não adianta fantasiar que se pode ter tudo, pois, na realidade, não se pode.

Entender essa complexidade é bom para o futuro das crianças e evita o surgimento de uma legião de adultos endividados pelos mais variados motivos. Dentre eles chamo a atenção para os esbanjadores, perdulários ou pródigos. São pessoas que parecem que vivem numa realidade distante. A coisa está apertada para todos e eles continuam num padrão de consumo além das possibilidades e sem condição nenhuma de ser sustentado no futuro. São pessoas que não se preocupam com o dinheiro e com o futuro em nenhuma intensidade. Deixam isso para outras pessoas ou para “depois”. Isso acaba sendo desastroso.

Nos casos mais graves, os pródigos estão sujeitos até a interdição. Isso ocorre, pois podem acabar com o patrimônio todo de uma vida num ato só. Não pensam nas consequências e acabam tendo que ser interditados, sob pena de se dizimarem financeiramente de uma hora para outra. Essas pessoas caminham, de uma forma derradeira, para o precipício financeiro. Cedo ou tarde a realidade de que o dinheiro não aceita desaforo vai surgir e cobrar um preço muito caro de quem tenta desafiá-lo.

A experiência tem demonstrado que o respeito ao dinheiro, gostando ou não dele, é uma necessidade de sobrevivência de todas as pessoas. Por mais que seja interessante se apropriar do cheque especial e do cartão de crédito como um “aumento de renda”, isto é equivocado e trata-se de uma prática comum que pode levar você a um futuro sofrimento. Com o passar do anos, aumentam sensivelmente, por exemplo, as despesas com saúde de forma quase astronômica e quem não se preparou lá atrás pode passar por momentos de sufoco tendo que depender de familiares ou terceiros para suas necessidades mais imediatas. Recentemente uma matéria num jornal de ampla circulação no Brasil mostrou que os custos dos planos de saúde triplicarão nos próximos 15 anos.

As pessoas que gastam mais do que ganham acabam entrando numa espiral muito negativa para o futuro. Ao invés, de investirem, elas passam a ser reféns de cartão de crédito e cheque especial. Isso, talvez não cause muito prejuízo a curto prazo, mas para os que fazem isso de uma forma contínua, o tempo chega e cobra um preço incrivelmente alto pelo mau uso do dinheiro. É muito comum caso de pessoas que tinham muito dinheiro há 20, 30 anos e hoje estão na rua da amargura por falta de educação financeira. Não caia nessa armadilha também. Fique atento e proteja o seu dinheiro hoje e também seu futuro financeiro de médio e longo prazo. O dinheiro não aceita desaforo. Não duvide disso.

Lélio Braga Calhau é Promotor de Justiça de defesa do consumidor do Ministério Público de Minas Gerais, psicólogo, palestrante e coordenador do site e podcast “Educação Financeira para Todos”.

Fonte: Educação Financeira para todos

Tags: dinheiro economia na prática educação financeira orçamento

Veja mais